Os desafios da advocacia 4.0: Inovações e sustentabilidade norteiam o atual contexto jurídico

Pouco mais de 200 anos desde a primeira Revolução Industrial, significativos avanços tecnológicos vêm alterando a organização econômica, política e social ao redor do mundo. A quarta Revolução Industrial trará impactos, ainda mais relevantes, acerca da escala, escopo e complexidade dos negócios. Aliando-se ao novo cenário, às pressões por sustentabilidade alteram profundamente os drivers de competitividade.

É fato, que estamos diante de um cenário complexo e repleto de transformações e, nessa nova realidade, o papel da advocacia começa a se modificar rapidamente.

Escritórios deverão se preocupar ainda mais com os desafios da sustentabilidade, já que a economia e o meio ambiente estão cada vez mais entrelaçados. O agronegócio correspondente a 40% do faturamento das exportações no Brasil.

Nesse contexto e considerando a transição por desenvolvimento sustentável, quais são os potenciais impactos da quarta revolução industrial em nossa rotina jurídica?

ATUAÇÃO PREVENTIVA

Mudanças legislativas e cenários sócio-políticos vem orientando que a atuação jurídica deixará de ser reativa e isolada. Ganhará, cada vez mais importância, a análise preditiva nos resultados e riscos do negócio. Basicamente, a jurimetria e a due diligence vêm como fortes aliados das tecnologias 4.0, auxiliando a desenvolver novos padrões de comportamentos, principalmente ao que tange ao litígio. Litigar custa caro! E justamente por isso, empresas (cientes do novo momento) buscam incessantemente escritórios de advocacia que sejam parceiros do negócio.

NOVOS PRODUTOS

Numa realidade onde o litígio será cada vez menos incentivado, os escritórios precisam desenvolver novos produtos para se adaptar ao atual cenário. O contencioso passará a ser gerenciado de maneira mais eficiente com o auxílio da robótica. Advogados serão cobrados à fazerem interferências mais profundas e significativas em processos internos das empresas. Atuações consumeristas e trabalhistas ganharão um novo invés. As relações de consumo estarão ainda mais ligadas à responsabilidade social e as relações entre empregador e empregado serão ainda mais responsáveis por fomentar nosso desenvolvimento econômico, trazendo novos desafios de como a tecnologia afetará postos de trabalho.

DIVERSIDADE

É inegável que novas tecnologias encurtarão barreiras. Muitos estudos na área de administração intercultural têm se debruçado sobre a questão de equipes multidisciplinares e como preparar pessoas de várias culturas para trabalharem juntas. Com a advocacia não será diferente! A atuação jurídica não poderá ficar restrita aos escritórios e departamentos jurídicos ou à mera execução de prazos processuais. Modelos de gestão multidisciplinares serão imprescindíveis para atuação no novo modelo 4.0. Aproximar financeiro, recursos humanos, jurídico e TI disseminarão a nova roupagem da advocacia, que deverá se preocupar com as grandes questões organizacionais.

Como vimos as famosas tecnologias –  IoT (Internet das coisas), impressão 3D, inteligência artificial, etc. – já fazem parte de nossa realidade e não há como fugir! Aceitar que o contexto jurídico mudou exige coragem, mas traz um presente valioso: incentiva a variedade de talentos, saberes, experiências, linguagens e vontades. Tudo isso gera um mundo mais rico!